Dia Internacional da Síndrome de Down



21 de março é o Dia Internacional da Síndrome de Down. A data é comemorada desde 2006 e a campanha foi criada pela Down Syndrome International, uma organização de pessoas com deficiência sediada no Reino Unido. O objetivo é conscientizar a população sobre a importância da inclusão e da luta por direitos igualitários.


O tema da campanha em 2021 é “Conectar”: compartilhar ideias, experiências e conhecimentos; capacitar uns aos outros para defender direitos iguais; e alcançar as principais partes interessadas para gerar mudanças positivas.


O que é Síndrome de Down?


Ao contrário do que algumas pessoas podem pensar, a Síndrome de Down não é uma doença, mas sim uma alteração genética. Todas as células do corpo humano têm um núcleo onde o material genético é armazenado em genes. Estes genes carregam os códigos responsáveis pelos traços que serão herdados dos pais e se agrupam em estruturas, chamadas de cromossomos.


Geralmente, cada célula tem 23 pares de cromossomos; uma metade é herança da mãe, a outra do pai. Na Síndrome de Down, ainda no útero da mãe ocorre uma falha na divisão celular do embrião, o que resulta na existência de três cromossomos na posição 21.


De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o Brasil possui cerca de 300 mil pessoas com Down. As principais características físicas dos portadores são os olhos amendoados, maior propensão ao desenvolvimento de algumas doenças e hipotonia muscular. Normalmente, o desenvolvimento físico, mental e intelectual pode ser mais lento do que o de outras pessoas da mesma idade.


Saúde mental das pessoas com Down e como ajudá-las


De acordo com a National Down Syndrome Society, mais da metade das pessoas que possuem a Síndrome tem algum problema de saúde mental e estudos indicam que a incidência de depressão é maior em indivíduos com falha genética.


As doenças mentais apresentadas pelas pessoas com Síndrome de Down podem variar conforme sua idade. As crianças mais novas, por exemplo, podem apresentar sinais de problemas comportamentais, ansiedade, dificuldade para dormir e variações de humor.


Já crianças mais velhas, adolescentes e adultos têm mais chances de ter depressão, ansiedade, comportamentos obsessivos-compulsivos, falta de habilidades sociais e cognitivas, e dificuldade para dormir. Além disso, adultos também podem sofrer de demência.


Portanto, preservar a saúde mental é essencial para que o indivíduo controle suas emoções e tenha uma qualidade de vida melhor. Afinal, pessoas com Down podem levar uma vida normal, tranquila e exercer atividades cotidianas como qualquer outra. Para isso, é importante que os familiares e pessoas mais próximas estejam atentos aos sinais de doenças mentais e procurem ajuda profissional.